Técnica não cirúrgica para hérnia de disco é destaque em Natal

Cerca de 86% da população Brasileira  sofre com problemas na coluna, e apenas 25% buscam tratamento. O diagnostico mais frequente é a hérnia de disco, cujo surgimento é muito comum a partir da quarta década de vida. Estudos apontam que, depois dos 40 anos de vida inicia-se um processo degenerativo da coluna vertebral, principalmente na lombar, que pode levar a sintomas como a dor, localizada na coluna ou irradiada para as pernas ou para os braços associada à dormência, formigamento e até perda de força.

Outro dado importante referenciado por pesquisas medica indica que apenas 5% a 10% dos casos de hérnias de disco são resolvidos com cirurgia os demais obtém resultados positivos por meio de tratamento conservador com medicamentos e fisioterapia.

Dentre as técnicas disponibilizadas, destaca-se a, RMA, reconstrução músculo articular da coluna vertebral, o método que associa fisioterapia manual à tecnologia das mesas de tração  e flexão–descompressão, exercício de estabilização vertebral e pilates. O ITC Vertebral é uma franquia existente em 57 cidades de todo Brasil e esse ano expandiu suas atividade na Europa, tratando mais de 6 mil pacientes desde 2005, com 87% dos resultados positivos.

“Sentia tantas dores que tive que parar de praticar esportes, o que fiz por toda vida. Com o ITC Vertebral as dores sumiram e voltei as atividades  físicas. O tratamento realmente me impressiona tanto pela eficácia, quanto pela rapidez  na conquista dos resultados” relata o empresário Roberto Duarte que sofria por fortes dores causada por uma hérnia de disco e que já estar finalizando o tratamento.

O RMA é Indicado para doenças da coluna com hérnia de disco, profusão de disco, lombalgia, cervicalgia, dor  ciática , artrose e  degeneração de disco.

O tratamento completo é feito no período de seis semanas, divididas em 22 sessões de uma hora de duração. A primeira parte de cada sessão é usada para realização de terapia manual onde visam retirar tensões musculares, e aderências ligamentares, a segunda etapa para descompressão do disco é feita através de uma mesa de tração computadorizada onde o fisioterapeuta vai identificar o disco lesado e programar a máquina para efetuar a tração na medida e no local. O equipamento aplica exatamente a tensão necessária para a abertura entre uma vértebra e outra sem submeter a área ao risco de lesão e nos  minutos finais o tratamento é voltado para a realização de atividades de fortalecimento, para que a reincidia da lesão seja evitada. Os testes feitos por pesquisadores norte-americanos apontaram que após seis semanas de tratamento as chances de o paciente necessitar de cirurgia de coluna são reduzidas em 80%.

“ O tratamento dura, em média, dois meses. Durante o tratamento ensinamos o paciente a fortalecer a musculatura que sustenta a coluna  e realizar atividades físicas como o pilates ou musculação para manter os resultados obtidos” relata a fisioterapeuta Nara que faz parte da equipe ITC vertebral Natal.

TECNOLOGIA

A Fisioterapeuta explica que o diferencial da técnica esta no uso da tecnologia para promover a descompressão da coluna bem como o fortalecimento especifico das musculaturas.  Outro paciente que comemora os resultados do tratamento é a médica pediatra Dra. Eleika Macedo

“Fiquei 40 dias em uma cama sem poder me mexer por causa da dor que sentia. Após tentar vários métodos sem sucesso resolvi fazer o RMA, e estou extremamente satisfeita. Com dois meses de tratamento recuperei meus movimentos e voltei a ter uma vida normal. Hoje, faz três meses que mantenho a estabilidade com a pratica do pilates terapêutico”.

Originalmente tirado de Tribuna do Norte

Originalmente publicado no Blog Da Saúde