Hipercolesterolemia Primária

Por ser uma doença silenciosa (seus sintomas podem ser causados de doenças consequentes a ela), a Hipercolesterolêmia Primária pode ser causada por um infarto do miocárdio e, dependendo da situação, pode levar a óbito.

O que é a doença?

É preciso conhecer mais sobre essa doença, pois existem alguns tipos de Hipercolesterolemia que muita das vezes sofre alterações físicas. Por exemplo, lesões encontradas na pele que ficam em forma de placa ou nódulos. Isso acontece devido ao acúmulo de colesterol encontrado em macrófagos.

Outro exemplo é a xantelasma palpebral que são manchas amarelas ao redor dos olhos. Conhecido como ‘’arco senil’’ é mais um problema que faz parte da alteração física da doença, sendo que o arco senil é uma descoloração branca localizada ao redor da córnea.

Além disso, a hipercolesterolemia é conhecida por ser um dos principais fatores envolvidos no desenvolvimento de uma doença chamada: aterosclerose – doença que se expressa através de diversas complicações.

Sintomas da doença

Se em algum momento você sentir esses sintomas, procure urgentemente um médico.

  • Angina pectoris: dores no peito, onde a pessoa sente falta de oxigênio no músculo cardíaco;
  • Infarto agudo do miocárdio: conhecido popularmente como ataque cardíaco;
  • Ataque isquêmico transitório: se em menos de 24 horas, você perceber a perda temporária de função cerebral por obstrução temporária da circulação, não hesite em procurar ajuda;
  • Derrame ou AVC (acidente vascular cerebral): o processo de ambos acontece em perda de função cerebral por obstrução temporária da circulação, ocorrendo em menos 24 horas (às vezes é definitiva);
  • Doença arterial periférica.

Tratamento

De acordo com os médicos, o tratamento deve ser feito em metas. Pois essas metas são variáveis e segundo eles, cada pessoa terá resultados ou não dependendo da situação da saúde desses indivíduos. Ainda com os médicos, as melhores ferramentas de tratamento são essas:

  • Reorientação alimentar;
  • Otimização de atividade física;
  • Uso das medicações corretas.

Para mais informações, consulte seu médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *